fbpx

Novembro Azul: Instituto Mário Penna alerta para a prevenção do câncer de próstata

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens e o Novembro Azul chegou para alertar sobre o diagnóstico precoce da doença. O Instituto Mário Penna apoia a campanha com o tema “Previna-se contra o câncer de próstata e continue a escrever a sua história”.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), em sua fase inicial, o câncer da próstata tem evolução silenciosa. Na fase avançada, pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal.

A detecção precoce é uma estratégia para encontrar o tumor em fase inicial e, assim, possibilitar melhor chance de tratamento. “A detecção pode ser feita por meio de exames clínicos e laboratoriais. No caso do câncer de próstata, esses exames são o toque retal e o exame de sangue para avaliar a dosagem do PSA (antígeno prostático específico)”; explica Dr. Alexandre Menezes, Urologista do Instituto Mário Penna.

O diagnóstico precoce desse tipo de câncer possibilita melhores resultados no tratamento. “Os homens com mais de 50 anos devem procurar um urologista para fazer o exame preventivo. É importante ressaltar que essa orientação é válida a partir dos 40 anos para aqueles que têm a pele negra ou que possuem casos confirmados na família”; diz Dr. Alexandre Menezes.

Instituto Mário Penna – A equipe de urologia do Instituto Mário Penna é formada por 10 profissionais, além de residentes médicos.

Referência em atendimento oncológico pelo SUS em Minas Gerais, o Instituto realizou, no último ano, mais de 20 mil procedimentos urológicos. Além disso, 1.240 pacientes foram atendidos pelos profissionais da urologia e quase 9 mil cirurgias foram realizadas.

Novembro Azul – As ações do Novembro Azul deste ano acontecerão de forma on-line, devido à pandemia. Nossos especialistas realizarão lives e produzirão vídeos para divulgações em nossas redes sociais, tirando dúvidas e esclarecendo a importância do diagnóstico precoce do câncer de próstata.

Instituto Mário Penna realiza atividades constantes para o Controle de Infecção Hospitalar

Controlar a infecção hospitalar e garantir a qualidade dos serviços e atendimentos prestados é uma das maiores exigências e condutadas exigidas dentro do Instituição Mário Pena. E é por isso que temos muito respeito ao Dia do Controle de Infecção Hospitalar, comemorado nessa sexta-feira, 15 de maio.

As infecções hospitalares são um dos maiores problemas enfrentados nos hospitais e a principal medida para controle é a higienização das mãos realizada de forma correta e nos momentos indicados.

O Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH), em parceria com vários setores do Instituto Mário Penna, vem desenvolvendo ações com o objetivo de orientar os funcionários sobre as medidas de prevenção das IRAS (Infecção Relacionada à Assistência à Saúde), bem como medidas para o enfrentamento da pandemia mundial do Covid-19.

Isso acontece através de treinamentos sobre o uso correto dos equipamentos de proteção individual; elaboração de fluxos e rotinas de atendimento nos Pronto Atendimentos, UTI e Unidade de Internação; acompanhamento e divulgação de dados em formato de Boletim Epidemiológico; discussão dos casos suspeitos/confirmados de Covid-19; dentre outras. Isso tem como resultado a melhor preparação do Instituto Mário Penna para o atendimento dos seus pacientes.

Curiosidade – No dia 15 de maio do ano de 1847, na Hungria, o médico-obstetra Ignaz Phillipp Semmelweis defendeu e incorporou a prática da higienização das mãos como atitude obrigatória para profissionais de saúde que entravam nas enfermarias. Uma simples, mas eficiente iniciativa que conseguiu reduzir a taxa de mortalidade dos pacientes. Foi por esse motivo, que se tornou uma data tão importante e significativa e se incorporou ao Calendário da Saúde.

Instituto Mário Penna abre inscrições para cursos práticos com enfoque em oncologia

Estão sendo ofertados 15 cursos de qualificação profissional, com foco no atendimento e assistência aos pacientes com câncer.

A Fundação Educacional Mário Penna está incrementando suas atividades e, neste mês de março, abriu inscrições para 15 cursos de qualificação profissional na área da saúde e com enfoque prático.

A área de ensino do Instituto Mário Penna, gerida pela Fundação Educacional, tem como objetivo contribuir para a formação de profissionais mais especializados, aproveitando a expertise do Instituto em oncologia.

Dentre os cursos disponibilizados estão: Aprimoramento Prático em Fisioterapia Oncológica, Assistência Multidisciplinar em Cuidados Paliativos e Aprimoramento Profissional para Técnicos em Radioterapia, entre outros. A lista completa com os cursos e todas as informações relacionadas estão no site: www.mariopenna.org.br/nep

Para a Presidente do Conselho Curador da Fundação Educacional Mário Penna, Maria Ângela Ferraz, a implementação das atividades educacionais é importante também para a sustentabilidade do Instituto, pois esperamos que no futuro consolide-se como uma importante fonte de receita. “O principal objetivo é atender aos pacientes oncológicos dando assistência e capacitar os profissionais para atenderem com, ainda mais, excelência. Além disso, os recursos financeiros arrecadados com os cursos serão destinados à manutenção das atividades dos Hospitais Luxemburgo e Mário Penna, custeando materiais necessários nos tratamentos de quimioterapia, radioterapia e cirurgias, por exemplo”, afirma.

Inscrições

As pré-inscrições devem ser feitas diretamente no site do Instituto Mário Penna, por meio do link www.mariopenna.org.br/nep. Neste link estão disponíveis informações sobre todos os cursos ofertados, bem como horário, matriz curricular dos cursos, corpo docente e o valor do investimento a ser realizado.

Controle de infecção hospitalar: Conheça sua importância na oncologia

Uma infecção hospitalar ou também mais conhecida atualmente como infecção relacionada à assistência à saúde (IRAS) é toda infecção adquirida durante o processo de cuidado em um hospital ou outra unidade de saúde, que não estava presente ou em incubação na admissão. Sua aquisição está relacionada normalmente aos procedimentos assistenciais necessários à monitorização e tratamento dos pacientes.

Mesmo quando as medidas conhecidas para prevenção e controle de IRAS são adotadas, determinados grupos ainda podem desenvolver uma infecção por apresentarem fatores que o tornam mais susceptíveis. Entre esses casos estão os pacientes em extremos de idade (recém-nascidos e idosos), obesos, fumantes, pessoas com diabetes, com lesões extensas de pele, submetidas a grandes cirurgias, em tratamento ou com doenças imunossupressoras. O câncer é uma doença que geralmente acomete os mecanismos de defesa do organismo, essa queda de imunidade pode ser tanto pela doença de base (tumor) como pelo tratamento adotado (quimioterapias, radioterapias, por exemplo). Os pacientes oncológicos frequentemente são submetidos a várias internações, e a diversos procedimentos diagnósticos e terapêuticos que prolongam sua permanência em ambiente hospitalar, isso também aumenta o risco de adquirirem uma infecção.

As IRAS são eventos adversos que acontecem em unidades de saúde, hospitais do mundo inteiro e ainda não há possibilidade de número zero de infecção. Entretanto, torne-se fundamental um cuidado especial para minimizar ao máximo a exposição destes pacientes aos riscos.

O Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) é o setor responsável por identificar e monitorar as IRAS. O diagnóstico de uma infecção é baseado em critérios definidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e também pela agência de saúde internacional, Centers for Disease Control and Prevention (CDC), dos Estados Unidos.

O SCIH possui também um papel importante na promoção da qualidade e segurança dos pacientes, desenvolvendo ações que permitem que os processos assistenciais sejam aprimorados, que medidas de prevenção sejam implantadas e que os riscos para as infecções, consequentemente, possam ser reduzidos.

Com foco na melhoria contínua dos serviços prestados, o SCIH busca sempre aumentar a adesão dos profissionais de saúde às recomendações e normatizações relacionadas à prevenção e o controle das infecções hospitalares. Entre as principais medidas para prevenir e controlar as IRAS está uma atitude simples e eficaz, a correta higienização das mãos. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que a higienização das mãos seja realizada por todos os profissionais de saúde, e também pelos familiares/acompanhantes. De acordo com a OMS são 5 os momentos em que é preciso ficar atento e realizar a higienização das mãos:

Momento 1: antes de contato com o paciente;

Momento 2: antes da realização de procedimentos;

Momento 3: após risco de exposição a secreções do paciente;

Momento 4: após contato com o paciente;

Momento 5: após contato com áreas próximas ao paciente, mesmo que não tenha tocado no paciente.

Controlar a infecção é garantir a qualidade dos serviços e atendimentos prestados em uma instituição de saúde.

 

Danielle Gonçalves Abrantes
Serviço de Controle de Infecção Hospitalar – SCIH

 

 

Direitos Sociais do paciente em tratamento de câncer

O Serviço Social atua no campo das políticas sociais, com objetivo de viabilizar o acesso aos direitos sociais da população e o exercício da cidadania. No Instituto Mário Penna, o Serviço Social orienta os pacientes, auxiliando na identificação de recursos que facilitam o processo de tratamento, democratizando as informações institucionais e o acesso as políticas públicas. Tornar o tratamento cada vez mais acessível ao paciente é o principal papel do Serviço Social, no hospital que busca garantir e efetivar estes direitos, conforme reza no Art. 203 Constituição Federal de 1988 “A assistência social será prestada a quem dela necessitar, independente de contribuição à seguridade social”.

O impacto psico social de uma doença como o câncer não afeta apenas o paciente, mas estende-se a todo o universo familiar, impondo mudanças, exigindo reorganização da dinâmica familiar, principalmente na incorporação dos cuidados e o tratamento nas atividades cotidianas. A maioria dos pacientes desconhecem seus direitos e enfrentam problemas financeiros, precariedade das condições sociais, econômicas e culturais, sendo fatores que expõem o paciente e família a uma condição de vulnerabilidade social e por isso, o ideal é que o paciente seja atendido/acolhido pelo Serviço Social logo após a primeira consulta, para que o assistente social possa traçar um estudo socioeconômico e atuar de forma preventiva em demandas/problemas que possam impactar no seu tratamento.

Considere os direitos sociais

Para isso, faz-se necessário conhecer a realidade de vida do paciente e de sua família:

  • Organização familiar,
  • Renda,
  • Qualidade dos vínculos familiares,
  • Condições de habitação,
  • Impacto que o tratamento traz sobre as atividades laborativas.

Sendo assim, têm-se a necessidade da atuação do serviço social no âmbito hospitalar, junto à relação paciente internado e sua família, no sentido de amenizar as tensões causadas pela doença e todo o processo de hospitalização, caso este seja necessário. Conhecendo esta realidade, permite-se ao Serviço Social atuar e encaminhar o paciente nos diversos seguimentos com aporte de direitos sociais, recursos públicos e da sociedade civil.

Diante da demanda apresentada pelo paciente, o assistente social realiza intervenções que consistem em orientar e encaminhar o mesmo para o requerimento de benefícios garantidos por lei como: saque do FGTS, saque do PIS,/PASEP, requerimento de benefício previdenciário do auxílio-doença (ver seguridade social), aposentadoria (ver seguridade social), Amparo Assistencial ao Idoso ou Deficiente, Tratamento Fora de Domicílio, Isenção do Imposto de renda; Quitação do financiamento da casa própria; Isenção do IPI na compra de veículos adaptados; IPTU, Isenção do IPVA. Todos estes benefícios requerem uma avaliação criteriosa por parte das diversas instituições, assim como dependem de critérios para o paciente possa acessá-los.

 

Márcia Gonçalves Gomes Campos
Supervisora do Serviço Social do Instituto Mário Penna

Olá, como podemos ajudar?