fbpx

Somos únicos e isso faz com que exista grande diversidade de desfechos clínicos quando o assunto é o câncer. Cada pessoa pode apresentar uma resposta a um tratamento completamente diferente de outra, mas sempre existirá um padrão a ser observado quando consideramos um grupo de pacientes. Neste contexto, a oncologia tem caminhado a passos largos na direção de realizar tratamentos cada vez mais personalizados aos pacientes que estão na luta contra o câncer. Isso traz diagnósticos mais rápidos e assertivos e possibilita decisões clínicas mais precisas na determinação de estratégias de tratamento.

Atualmente, os médicos podem contar com o auxílio da inteligência artificial para apoiar as tomadas de decisões. Você sabe o que é inteligência artificial? São programas de computadores que buscam especificamente padrões, semelhanças entre o que está sendo observado em um determinado paciente e o que foi observado em outros pacientes já tratados anteriormente. Baseando-se em dados acumulados ao longo do tempo de centenas e, às vezes, milhares de outros pacientes com o mesmo problema, os programas conseguem comparar e, rapidamente, determinar previamente a condição do paciente, dando ao médico a oportunidade de tratar o caso de maneira mais eficiente e personalizada.

Os pesquisadores e médicos do Núcleo de Ensino e Pesquisa (NEP) aqui do Instituto Mário Penna estão atentos a essa perspectiva de inovação no tratamento do câncer e publicaram dois estudos que desenvolveram sistema usando inteligência artificial. Um dos estudos publicado na revista científica internacional, a Modern Pathology, Dr. Paulo Guilherme de Oliveira Salles, Diretor do NEP, desenvolveu um sistema de inteligência artificial para apoiar o médico patologista no diagnóstico do câncer de próstata. O outro, publicado na Journal Clinical Oncology, pela Dra. Letícia da Conceição Braga, coordenadora do Laboratório de Pesquisa Básica e Translacional, descreve um sistema de predição inteligente para avaliação do risco de recorrência e benefício ao tratamento quimioterápico em câncer de ovário.

“A grande vantagem do uso da inteligência artificial como ferramenta no combate ao câncer é a capacidade dos programas aprenderem com novos dados e se tornarem melhores a cada uso, bem como de conseguir lidar com um volume de dados enorme em um intervalo de tempo consideravelmente baixo” ; explica o pesquisador do Laboratório de Pesquisa Básica e Translacional do NEP, Dr. Fábio Ribeiro Queiroz.

Quer conhecer as publicações dos nossos pesquisadores? Acesse os links abaixo.

https://doi.org/10.4238/2015.October.28.13

https://ascopubs.org/doi/abs/10.1200/JCO.2020.38.15_suppl.e18075

 

*Texto escrito pelo Dr. Fábio Ribeiro Queiroz

Olá, como podemos ajudar?